Terca-Feira, 21 de Setembro de 2021

Uma celebração ao centenário de Lenine de Campos Póvoas

1be563d4d70cbf02096c113db1462610_XL

Neste domingo, 4 de julho, será realizada uma missa em Ação de Graças ao centenário do nascimento de Lenine de Campos Póvoas – historiador, escritor, jornalista e ex-deputado estadual -, às 19 horas na Igreja São Gonçalo. A missa será presencial com transmissão online pelo youtube da Igreja São Gonçalo.

O professor Fernando Tadeu de Miranda Borges, atual ocupante da cadeira 33 que foi ocupada por Lenine, conta que a ideia de realizar a missa no bairro do Porto é uma característica marcante da tradição cuiabana. “A concepção foi nossa com o aval da presidente da Academia Mato-grossense de Letras, a confreira Sueli Batista. Além de Sueli, convidei para a missa a dra. Maria Helena G. Póvoas e família”, que vibrou com a realização. Com isso, no dia da missa em Ação de Graças, 04 de julho de 2021, prof. Lenine de Campos Póvoas, caso estivesse vivo, estaria completando 100 anos”, observou Borges.

O professor da UFMT ressalta que o lançamento da primeira edição do livro “Do Extrativismo à Pecuária: algumas observações sobre a História Econômica de Mato Grosso (1870-1930),” foi realizado na Academia Mato-grossense de Letras sob a presidência do prof. Lenine, da cadeira 33. “Desde 2013, por uma confabulação dos astros, passei a ocupar a mesma cadeira. Digo sempre que posso que prof. Lenine, de forma inconsciente, me escolhera antes para ser o seu sucessor como membro da Academia Mato-grossense de Letras”.  E acrescenta: “o nosso relacionamento foi tão amistoso que, em 27 de agosto de 2000, Lenine recebeu da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro (UBE/RJ), no Auditório da Academia Brasileira de Letras, uma homenagem pelos trabalhos realizados, e quem fez o dossiê para análise da UBE/RJ, fui eu, com muito orgulho por estar divulgando Cuiabá e Mato Grosso”.

Ambos residiram por um tempo no bairro Porto. “Lutamos pelo magistério e pela cultura e temos a escrita da História Econômica, Social e Política como foco”.

A memória cuiabana gravada na história

Na avaliação do doutor Fernando, foram muitos os legados deixados por Lenine. No entanto, destaca alguns dentro desse universo.  Como, por exemplo, a preservação dos documentos de Mato Grosso com a criação e instalação do Arquivo Público. Já, segundo ele, quando Lenine foi secretário de Estado de Administração, a indicação da acadêmica Vera  Randazzo para coordenar os trabalhos, foi importantíssima e merecedora de todos os aplausos.

“Além disso, criou a Fundação Cultural de Mato Grosso, embrião da Secretaria de Estado de Cultura. Foi realmente um apaixonado pela Cultura Mato-grossense. Na presidência da Academia Mato-grossense de Letras, deu o melhor da sua contribuição”, pontuou.

Quanto aos livros, a produção de Lenine de Campos Póvoas foi grandiosa. Deixou inúmeras obras, sendo a primeira lançada quando tinha apenas 23 anos.  “É difícil selecionar alguma obra em especial nesse cenário grandioso de trabalhos. Inclusive, comentei com dra. Maria Helena G. Póvoas que as obras do seu pai nunca poderiam ser separadas, devendo  ficar sempre juntas por revelarem a alma e a trajetória do colecionador. Sei muito bem o significado de tudo isso. Contudo, indico o livro “Cuiabanidade” pelo fato de ter me dado algo em que agarrar naquela época e também devido a nunca ter aderido ao termo cuiabania. Acredito que o livro “Cuiabanidade” foi escrito também para sua esposa, dona Arlete G. Póvoas, uma carioca da cuia, cuiabana por adoção, que amou muito este lugar como se fora sempre seu e de fato era seu devido a “Cuiabanidade””, disse Borges.

De acordo com ele,  Lenine de Campos Póvoas escreveu muito sobre suas impressões dos países visitados, invertendo totalmente a situação, pois normalmente são os estrangeiros que publicam impressões. “Veja a quantidade de estrangeiro que publicou sua impressão do Brasil. Nessas obras eu diria que prof. Lenine construiu sua própria “forma” colocando dentro dela a geografia, a história, o direito, o turismo, a cultura, a política, o patrimônio. Foi alguém com personalidade própria na forma de viver, que amou muito sua família, que amou Cuiabá, Mato Grosso, o Brasil e o Mundo”, frisou o professor Fernando Tadeu de Miranda Borges.

E por fim, ponderou: “recomendo assistir online, eu mesmo vou assistir a Santa Missa de casa”.

 

 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

Roseli

Roseli

Comentários

Com muito ❤ por go7.site