Quarta-Feira, 03 de Marco de 2021

VLT ou BRT: Até quando teremos que debater o óbvio?

Nos últimos dias, o governador do estado anunciou o abandono do projeto do VLT que liga as cidades de Cuiabá e Várzea Grande e a opção pelo BRT.

Segundo ele, o projeto mudou, mas o objetivo segue o mesmo. E segue mesmo?

Como funcionou a decisão pela implementação do BRT

Apesar de envolver os dois maiores municípios do estado, o debate com os prefeitos não foi uma realidade e a imposição desse novo modelo foi comunicada em coletiva de imprensa no Palácio Paiaguás.

Não é nenhuma novidade que as obras do VLT já se transformaram em uma verdadeira novela e que já passou da hora do estado se mover quando o assunto é este “rasgo” que corta as duas cidades. Mas por  que não envolver os prefeitos e a bancada federal do estado nesse debate?

A resposta é simples: para evitar discordância daqueles que sabem que esta operação pode impactar – e muito – os cofres municipais, que já sofrem com os desdobramentos da pandemia na economia.

Basta olharmos as estações abandonadas nas cidades que optaram por este sistema e buscarmos por respostas sobre esta ser, realmente, a melhor solução para todos.

 

Por que a discussão sobre o BRT deve ser ampliada?

Todos os envolvidos nesse processo querem o melhor para a população, mas é preciso saber muito mais do que o valor da passagem e a capacidade de lotação dos veículos.

A implementação do BRT também envolve a construção e manutenção de estações, cumprimento de regras de qualidade de pavimentação, fiscalização do transporte e muito mais. E quem vai pagar esta conta? Como será a contrapartida?

Se seguirmos na lógica de “terceirização” de gastos que o governo do estado está implementando na educação, com a tentativa de transferir creches que estão sob a gestão do estado para a administração municipal, os gastos com o dia a dia do BRT ficarão para as prefeituras, que hoje já estão lutando para superar a crise.

O que a bancada federal pode fazer a respeito

Desde o início do meu mandato, me coloquei à disposição para buscar soluções junto aos envolvidos e trabalhar em prol da melhor solução para este problema.

Em julho do ano passado, fiz um pronunciamento em plenário com um teor conciliador e colocando a mim e toda a bancada federal mato-grossense à disposição do governo do estado e das prefeituras Cuiabá e Várzea Grande.

Além disso, ainda em 2019, propus na Câmara dos Deputados a criação de uma Comissão Externa de Fiscalização e Transparência das Obras do VLT, mas a iniciativa foi boicotada por quem tinha interesses, já em 2019, na mudança do modelo de transporte para o BRT.

É importante ressaltar aqui que, o nosso papel é trabalhar pela melhor opção para os municípios e fomentar o debate saudável que beneficia a todos os que aguardam há tantos anos por uma solução.

Deputado Emanuelzinho

 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

Roseli

Roseli

Comentários

Feito por
⚙️