TCE-MT mapeia ações das redes públicas de ensino durante pandemia

r

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) realizou estudo com o objetivo de mapear as ações adotadas pelas redes públicas de ensino estadual e municipais durante a suspensão das aulas presenciais em virtude da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Parceiro do projeto “A Educação Não Pode Esperar”, o TCE-MT, por meio da Secretaria de Controle Externo (Secex) de Educação e Segurança, promoveu levantamento de abril a junho com 12 redes municipais e uma estadual utilizando como critérios o maior número de matriculados e o menor nível socioeconômico dos alunos. A análise compreendeu mais de 1.100 unidades educacionais que atendem aproximadamente 491.000 estudantes. 

Entre os principais pontos abordados no trabalho estão a distribuição de alimentos às famílias dos estudantes, práticas pedagógicas durante o período de suspensão das aulas presenciais, atuação e formação dos professores e planejamento para a volta às aulas.

Em Mato Grosso, mais de 850 mil crianças e jovens estão longe das salas de aula desde março e por um prazo ainda indefinido, com profundo impacto sobre a aprendizagem dos estudantes. O levantamento do TCE-MT apontou que apenas 33% das redes públicas de ensino do Estado instituíram políticas para distribuição da alimentação escolar durante a pandemia e que a distribuição não ocorre de forma universal, ou seja, nem todos os estudantes recebem. 

Foi recorrente o argumento, nos questionários e nas entrevistas, de que, como os recursos são escassos, priorizou-se atender os alunos cadastrados no Programa Bolsa Família, assim como as famílias em vulnerabilidade que procurassem as secretarias municipais de Educação e Assistência Social.

Fruto de uma parceria entre o Comitê Técnico da Educação do Instituto Rui Barbosa (CTE-IRB) e o Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede), o projeto “A Educação Não Pode Esperar” conta com a participação de 26 tribunais de contas do país.

O estudo do TCE-MT foi apresentado pela secretária de Controle Externo de Educação e Segurança do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Patrícia Leite Lozich, na semana passada, durante reunião da comissão especial da Assembleia Legislativa de Mato Grosso que analisa a possibilidade de retomada das atividades escolares no estado. 

Demonstrou-se que em 50% das redes, houve redução de gastos com alimentação escolar, enquanto em 41,6% permaneceu o mesmo. Em apenas 8,4%, houve aumento de despesas. 

De acordo com a secretária da Secex, o foco do trabalho é orientativo e visa contribuir com a gestão pública, identificando e compartilhando boas práticas para minimizar os prejuízos à educação pública. “O objetivo do trabalho foi estudar as medidas já implementas pelas redes de ensino e identificar ações que possuem maior efetividade e que possam ser replicadas. A intenção é colaborar com o aprimoramento das ações educacionais realizadas nesse período de pandemia.”, ressaltou Patrícia Leite Lozich.

Responsáveis pelo trabalho, juntamente com a auditora Mônica Cristina dos Anjos Acendino, os auditores públicos externos Renan Godoi Ventura Menegão e Sérgio Henrique Pio de Sales ressaltaram a importância da iniciativa para aproximação entre o tribunal e as redes de ensino estadual e municipais do Estado nesse momento de crise sanitária.

A EDUCAÇÃO NÃO PODE ESPERAR

O estudo apontou que em Mato Grosso, as datas de início dos conteúdos remotos foram iniciadas, em sua maioria, na primeira quinzena de maio. No entanto 8,3% das escolas estudadas ainda não iniciaram as aulas remotas. No Estado, 91,6% das redes de ensino possuem estratégias para oferecer aulas ou conteúdos pedagógicos aos estudantes durante a pandemia.

Sobre a periodicidade dos conteúdos disponibilizados para a Educação Infantil, 54,6% das escolas responderam que encaminham semanalmente, 36,3% quinzenalmente e 9,1% diariamente. Para os anos iniciais do ensino fundamental, a grande maioria, 75%, encaminha o material digital semanalmente. Já para os anos finais do ensino fundamental, 72,7% das escolas encaminham semanalmente.

Já em relação a formação para os profissionais da rede para desenvolverem as atividades a distância com os estudantes, 41,7% das escolas disseram que estão promovendo a formação, enquanto 58,3% disseram que não promoveram capacitação. 

Sobre o retorno às aulas, 83,3% das escolas afirmam que estão se preparando para a volta.

As recomendações elencadas no estudo serão objeto de deliberação do Tribunal Pleno. 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

roseli

roseli

Comentários

Feito por
⚙️