Sábado, 24 de Outubro de 2020

O sabiá, o poeta e o amor

sabiá2

A propósito de um lugar que não existe…

Professor Cleir Edson

Certo dia, há alguns anos passados, no meio do esplêndido verde da nossa pujante natureza, nasceu um sabiá (sabiam que o Brasil é a terra deles e que Ele é a nossa ave símbolo? Pois é.), mais precisamente em Mato Grosso do Sul – desde sempre Mato Grosso; pois bem, esse passarinho, assim que abriu os olhos, desgrudou as peninhas da asa de seu pequenino corpo, tentou voar e… caiu. Tentou de novo, tornou a cair. Mais uma vez quis voar e nada. Então, levantando-se mais uma vez… (“A maior gloria não é ficar de pé, mas levantar-se cada vez que cair.”), olhou para a mãe e quis saber por que não conseguia voar?

Mamãe sabiá – de peito inchado – olhando com orgulho e ternura para seu filhote, disse:

– Meu filho, calma, ainda não é o momento de você voar. Você tem uma sábia missão, sabia? Mas primeiro aprenderá a voar como todo sabiá.

E o recém-nascido, curioso – como toda ave sabida – quis logo saber de que se tratava.

– Ah, é? E o que é que eu vou fazer, mãezinha?

Ao que a sábia mamãe sabiá respondeu.

– Você vai viajar, isto é, voar, numa linda manhã de primavera, seguindo os Raios do Sol, em direção à nascente desse astro Luz, a um lugar onde você cumprirá a sua primeira missão.

– E qual é o meu destino, mãe? E que missão será essa? Intrigado, inquiriu o belo e inquieto pássarinho, mas todo feliz…

– Ah, meu sábio filho sabiá, você vai viajar para um lugar que não existe…

– O quê? Um lugar que não existe!? Mas se não existe, como vou para lá? Como??? Você tá voando muito alto, mamãe! Comeu bastante minhoca hoje, hem?!

Mãe sabiá, com toda a paciência desta vida, como toda mãe sábia, respondeu:

– Não, meu filhinho. Primeiro, eu não como mais minhocas, agora só me alimento de mamão, banana e amora, o mesmo que dei para você noutra hora! Em segundo lugar, calma, esse lugar existe, sim. É só uma forma metafórica de te esclarecer que ele não está aqui na Terra, mas existe sim, num outro plano, num outro espaço, numa outra dimensão, como um poeta poetou outrora…

Espantada, a avezinha mais uma vez protesta:

– Meta o quê? Nunca ouvi essa palavra, mamãe!

– Metafórica de metáfora. Respondeu a mãe ave, num gorgeio cheio de paciência, claro. É simples, bem simples: esse lugar existe na imaginação dos poetas, é como Pasárgada, a terra de Bandeira – a pátria de todos os românticos, daqueles que amam e são amados… o útero dos poetas, os que são amigos do rei; trata-se também do País das Maravilhas de Alice e de seu amigo Chapeleiro Maluco, onde “a única forma de chegar ao impossível é acreditar que é possível…”, pois lá nesse País das Maravilhas “se você acha que está enlouquecendo, ficando maluco, pirado, ou que perdeu um parafuso, o segredo é que as melhores pessoas são essas como você!”

Esse lugar, meu pequerrucho, também é como o Planeta do Pequeno Príncipe, mas sem os baobás (é preciso arrancar os baobás, antes de ter qualquer vontade de ir viver lá.), entende? Acolá é onde “o essencial é invisível para os olhos, só se vê bem com o coração.!

Ele é igualmente parecido com a Casa-que-Brilha do Menino do dedo verde – Tistu e de sua feliz família. Lá, filhinho, aprende-se que “Todas as pessoas grandes foram um dia crianças.”; e é lá onde se aprende também – com o Menino do Dedo Verde – “que a medicina não pode quase nada contra um coração muito triste. Também que para a gente sarar é preciso vontade de viver. Por isso, deveriam existir pílulas para a esperança!”

– Entendeu, meu passarinho lindo?

– Nossa! Mãe! Como a senhora fala bonito e de coisas estranhas, mas agora é que não entendi nadica de nada mesmo. Puxa vida, olha a bagunça que na minha cabeça a senhora fez: passar gado? Bandeira? De onde é a bandeira? E quem é esse chapeleiro maluco, amigo da Alice? Quem é Alice? E que Planeta é esse do pequeno príncipe, baobás, casa que brilha, menino do dedo verde? Credo, mãezinha! Tô perdido igual quando tentei voar a primeira vez…

Novamente a sábia sabiá exerceu seus dons de paciência e acalmou seu filhote:

– Esquece o que falei, filhinho. Com o tempo e o seu crescimento, você descobrirá o valor disso tudo. Vamos ao que importa para você realizar sua missão.

– Ah é! Então, mãe, o que vou fazer? indagou a curiosa e linda avezinha.

– Sábio filho, você vai a esse lugar que não existe para “trinar” todos os dias para os poetas, aliás, para um poeta, em especial, filhinho. Ele tem um encanto grande por todos Nós – os Sabiás! É fascinado por nossa espécie como poucos humanos são. Todos os anos, Ele compõe poemas para Nós. E é seu maior sonho, pequeno sabiá: viver um grande amor. Por isso e para isso você estará lá – em todos os dias de sua juventude, para ajudá-lo a realizar esse propósito, trinando para ele, diariamente, nas primaveras de sua vida…

– Sabe, lá – no lugar que não existe – há centenas de milhares de laranjeiras, e cada uma mais bela que a outra, frondosas, cheinhas de flores e folhas multicoloridas, e você, filhinho – como todo sabiá-laranjeira – em todas as manhãs, bem cedinho, e à tardinha, vai pousar bem no alto, no mais alto que puder de uma laranjeira e lá vai gorjear…sim, gorjeie, pequeno sabiá, com toda a força de seu pulmãozinho… você vai perceber que é como se todas as flores e folhas da laranjeira estivessem gorjeando com você! Vai ser um espetáculo, meu pequeno sabiá! Você vai ser confundido – por causa da cor de seu peito – com as folhas e flores da laranjeira e estas – ao balanço leve de seus galhos pelo suave vento primaveril – farão com que tudo se pareça com um arco-íris musical em movimento… e balançando… balançando e você também vai balançar sem voar …

– Nossa! Mãezinha, que coisa mais linda! Você parece um poeta! Bem que poderia ser e vir comigo, aí vamos poetar, quero dizer, trinar juntos, hem!

– Não, pequeno sabiá, essa é a missão da sua vida, somente você pode realizá-la. Ninguém mais. E sozinho.

– Puxa vida, mãe, exclamou, agora admirado, o cada vez mais feliz passarinho. Vou trinar para um Poeta no alto de uma florida e estupenda laranjeira! E, melhor ainda, é que é para ele encontrar um grande amor. Que bom! Então vou gorjear com todas as forças, mamãe! Assim quem sabe ele compõe um poema só para mim, já que ele também me ama, não é verdade?

– Isso mesmo, filhinho. Quem sabe ele faz isso. Assim que se fala. Você é um sábio sabiá, por essa razão a Divindade, o Universo e a Natureza lhe deram essa sábia missão. Gorjeie, gorjeie, pois, com a maior força, alegria e beleza que você puder: trata-se de uma missão Especial. E o seu canto tem que Ser o mais belo de todos! O mais alegre! O mais feliz! De todos os sabiás e de todos os pássaros, viu? Por isso você foi o escolhido.

Então, numa radiante e ensolarada manhã de primavera, num dos mais esplendorosos dias que já amanheceu neste Planeta, o sábio passarinho, já dono de suas asas, pois voava para toda parte e a grandes alturas, recebeu um trinado sim de sua mãe e se preparou alegremente para a abençoada e longa jornada que a vida lhe reservara.

Naquele mesmo dia, quando o Sol – esplêndido – surgiu lá no Nascente, e seus raios se dirigiram àquele misterioso, instigante e místico lugar que não existe, o Belíssimo Sabiá voou em direção a esses fulgurantes raios, e tal qual uma folhinha que cai nas correntezas de enorme cachoeira, deixou-se levar – como num escorregador de crianças… planando – sem peso algum – por um raio de luz daquele sol deslumbrante – até avistar, lá do alto, no meio daquela fulgurante Luz – Pasárgada –, o lugar que não existe – onde cumpriria sua nobre, feliz e alegre tarefa por toda a juventude: “trinar louvores”, diariamente, na Primavera, em celebração a um Poeta, à Poesia e ao Amor…!

E assim, esse maravilhoso pássaro – Ave símbolo do Brasil – gorjeia todos os dias na primavera – nesse lugar que não existe – ao amanhecer, à hora do almoço, à noitinha; ora gorjeia na multicolorida laranjeira, ora no alto de um belíssimo Ipê Amarelo, e às vezes – tem-se a nítida impressão – trina incansavelmente, melodiosamente, ali pertinho, quem sabe no parapeito da janela do quarto em que sonha e dorme, dorme e sonha com um Grande Amor, o poeta dos sabiás.

E as pessoas, os vizinhos, fascinados com tão mavioso e forte trinado, ficam intrigados e curiosos e querem saber por que esse pássaro tão lindo, um dos mais lindos de nossa pátria, quiçá de todo o Planeta, gosta tanto de cantar perto da casa daquele poeta…

Eu Sou Cleir Chapeleiro Maluco Um Ser de Luz E da Luz Um Poeta Aprendiz

Em meu apê, às 19:04 horas do dia 14 de setembro de 2019

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

roseli

roseli

Comentários

Feito por
⚙️