Quarta-Feira, 03 de Marco de 2021

Ministério da Saúde reforça a necessidade de imunização contra o sarampo no Brasil

Especialista do Laboratório Cedic Cedilab explica que vacina é a maneira mais eficaz de prevenir a doença

Cuiabá, agosto de 2019 – O Ministério da Saúde, em parceria com os Estados e municípios, iniciou diversas ações com foco na imunização contra o sarampo. O órgão federal recomenda que as crianças de 6 meses a 1 ano de idade, que irão se deslocar para municípios com surto ativo da doença – nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia – sejam imunizadas. A medida deve ser mantida até 90 dias após a confirmação do último caso de sarampo. A população entre 15 e 29 anos também deve ser imunizada.

 

O infectologista do Laboratório Cedic Cedilab, que integra a Dasa – líder brasileira em medicina diagnóstica –, Alberto Chebabo, esclarece que a vacina é a maneira mais eficaz de prevenção. “O recomendado é que sejam administradas duas doses da vacina contra o sarampo para pessoas de 12 meses a 29 anos e uma dose para indivíduos entre 30 e 49 anos”.

 

O especialista destaca que a vacina Tríplice-Viral (sarampo, caxumba e rubéola) pode ser administrada em crianças a partir dos 12 meses, e em adolescentes e adultos de qualquer idade, em duas doses, com intervalo de um a dois meses. Já a Tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) pode ser aplicada em crianças de 12 meses a 12 anos de idade. “O recomendado é que sejam administradas duas doses da vacina contra o sarampo para pessoas de 12 meses a 29 anos e uma dose para indivíduos entre 30 e 49 anos, caso não tenham se vacinado ou não saibam o seu histórico de vacinação previa”, explica.

 

Chebabo ressalta que é necessário estar atento às contraindicações da vacina. “Gestantes, crianças menores de 6 meses, pessoas com comprometimento da imunidade por doença ou medicação e com histórico de anafilaxia após aplicação de dose anterior da vacina ou que tenha sensibilidade a algum dos componentes presentes não devem ser imunizados”, completa.

 

Sintomas e tratamento

O primeiro sintoma é febre alta, normalmente acompanhada de conjuntivite e tosse. Depois aparecem manchas pelo corpo, começando atrás das orelhas e se espalhando pela face e, posteriormente, pelo resto do corpo.  Em casos mais graves, podem surgir infecções respiratórias e encefalites.

 

Chebabo esclarece que o tratamento é sintomático. “Devem ser prescritos medicamentos para febre, dor e, se houver infecção bacteriana, o paciente deve iniciar o uso de antibióticos, de acordo com a recomendação do médico que atende ao paciente”, finaliza.

 

Sobre o Laboratório Cedic Cedilab

O Cedic Cedilab – que integra a Dasa, é referência em Mato Grosso na realização de exames de análises clínicas, diagnóstico por imagem, patologia clínica e medicina genética – por meio da GeneOne, laboratório de genômica da Dasa. O centro diagnóstico nasceu da junção da Cedic Medicina Diagnóstica, fundada em 1995, com o Cedilab Medicina Laboratorial, em 2000. São mais de 3 mil tipos de exames oferecidos, em seis unidades de atendimento, em Cuiabá e Várzea Grande. O Cedic Cedilab investe constantemente em tecnologia e equipamentos de ponta e possui corpo clínico renomado para proporcionar atendimento de qualidade. E, para garantir acesso à saúde de qualidade, o Cedic Cedilab atende ampla rede de convênios, além de oferecer tabela popular para pessoal que não têm plano de saúde e condições facilitadas de pagamento. Outra facilidade é o atendimento domiciliar, com isenção de taxa.

Mais informações em: www.cediccedilab.com.br

 

 

 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

admin

admin

Comentários

Feito por
⚙️