Sexta-Feira, 16 de Outubro de 2020

Essas Mulheres – Guerreiras da Luz!

20200826_214711

Trabaiá, rezá e chorá – Parte II

Bom dia, caríssimos leitores deste charmoso Blog!

No dia 18 de agosto passado, o jornal Diário de Cuiabá publicou meu artigo – Rezá, chorá e trabaiá. (http://www.diariodecuiaba.com.br/indice.php?edicao=15533)

Pois bem, naquela mesma edição, na seção reservada aos comentários, recebi este que transcrevo ipsis litteris e que me motivou, instigou e inspirou a escrever esta, digamos, continuação da Crônica daquele dia:

Liliane Coelho  18-08-2020 11:07:02

Olá, Edson! Que bonito! “Rezá, chorá e trabaiá” é parte da vida e da história das mulheres da minha família. Talvez a ordem, para elas, fosse um pouco diferente: Trabaiá, rezá e chorá”. É que o trabalho e o desafio de dar conta da casa, dos filhos e da vida, sempre estava em primeiro lugar. Por causa disso, elas rezavam buscando forças. Por causa disso, choravam até dormir. De cansaço, de tristeza, de solidão por não encontrarem esperanças de que as coisas poderiam melhorar e, na maioria das vezes, por não terem sequer o ombro de um bom companheiro no qual se apoiar. Era e é ainda, para muita gente, uma vida dolorida. Muitas vezes triste, mas bonita. Não há como não ser estando vivos, sabendo rezar e chorando de vez em quando pra aliviar o peso do mundo. Obrigada! Lendo seus textos sempre que consigo.”

Todos aqueles que leram meu artigo devem estar se perguntado por que eu estou retomando aquele assunto. Para aqueles que não o fizeram, convido a entrar no link postado logo acima, no início deste artigo posto que assim entenderão melhor.

Ora, meus leitores, volto àquela crônica simplesmente porque nunca me saíram da lembrança as palavras daquela simpática e agradável senhora do Mercado Municipal de São João Del Rei: Rezá, chorá e trabaiá”.

Sim, repercutindo mais uma vez as palavras da senhora de melancólicos e belos olhos azuis, e aproveitando do belíssimo, sincero e tocante comentário da Liliane Coelho, mais ainda, retomando minhas palavras ao final da citada crônica neste dueto temático, quero me ater ao seguinte:

Por que dona Lena disse suas palavras nesta ordem: rezá, chorá e trabaiá? Por quê?

Como Liliane, com toda a propriedade e emoção, externou no lamento profundo das mulheres de sua família na sequência – trabaiá, rezá e chorá – por acaso não poderia a dona da banca do mercado ter falado assim também??? Ora, *mutatis mutandis, creio que se Ela falasse nessa ordem, ficaria mais coerente com a saga Dessas Mulheres – Guerreiras da Luz – as quais pretendo homenagear nesta Crônica.

Neste ponto de meu artigo, aproveito das sábias palavras da Menina escritora – Liliane – para remeter às minhas origens e à linhagem feminina de minha família, numa breve rememoração e contar algo de minha mãe para, neste artigo, honrar, especialmente, Essas Mulheres – guerreiras e heroínas de todos os tempos!

Quando minha mãe tinha somente os três primeiros filhos – nós somos em seis – eles eram todos pequenos, tipo escadinha como se falava: 5, 3 e um ano de idade, minha família morava em Bela Vista, na fronteira com o Paraguai, Mato Grosso do Sul, desde sempre Mato Grosso. Meu pai era do Exército, e permanecia dias e dias longe de casa, com o pelotão, guarnecendo a fronteira. A mãe ficava sozinha com as três crianças. Ele sempre deixava com ela um revólver Colt 45, porque era uma região muito perigosa. Lembro-me, ela nos contou anos mais tarde, de que cansou de matar galinhas no quintal pensando que eram ladrões ou bandidos! Ela relembrava isso entre uma gostosa gargalhada e uma mexida na panela onde cozinhava um delicioso carreteiro no fogão: segundo seus relatos, ao ouvir no terreiro um barulhão, entreabria a janela da cozinha e… bum!bum! bum! Disparava três tiros! Para não gastar todas as balas, conforme papai lhe ensinara. Só ouvia o escandaloso cacarejar da galinhada e um zum-zum-zum sem fim! Um tremenda barulhada! Mas nada de bandido ou ladrão! Eita Mulher Valente! Mulher Guerreira! Uma verdadeira Amazona! Ela contava isso e ria toda feliz. Confessava que sentia medo, sim, mas que de certa forma, aquele baita 45 em suas mãos (sim, só conseguia segurar com as duas!) lhe dava confiança, por isso, meio que abria a janela e sapecava fogo! Na manhã do dia seguinte, morria de pena, pois sempre encontrava pelo menos uma infeliz penosa morta pelas balas do seu berro.

E se eu lhes contar a idade de minha mãe nessa época, vocês não vão acreditar, hem? Minha mãezinha tinha apenas 21 anos! Vinte e um! Isso mesmo. Ela se casou com 15 e com 16 teve o primeiro filho, meu irmão mais velho. Uma menina-mãe!

Inacreditável, não é verdade?

Isso explica o fato de que, ao narrar para nós suas histórias, muito tempo depois daquela época, mamãe o fazia com uma doce amargura na voz e dizendo o quanto tinha sido duro, difícil mesmo, sobreviver àquela vida, pois com três filhos pequenos (o mais velho tinha apenas 5 anos!), ela totalmente sozinha, numa região pobre, inóspita e infestada de marginais de toda a espécie, e quando e onde ela fazia de tudo: cuidava das crianças, da casa, cozinhava, lavava a roupa no rio Apa, que banha Bela Vista, fazia compras e, à noite, após todos os três dormirem, ela, exausta física e emocionalmente pela lida, caía na cama, morta de sono e cansaço, ao mesmo tempo que tinha medo de dormir, pois podia aparecer algum bandido. Então, deitava-se de lado, os três pequeninos aninhados ao seu peito, e com o Colt 45 grudado em suas mãos – como se fosse o Rosário que as beatas mantêm entre os dedos ao rezarem para seus santos em cantoria – e ali, estoicamente permanecia de olhos abertos, doida pra fechá-los… naquele sagrado e icônico momento de uma Mãe Leoa, enquanto rezava sua própria reza de Mãe menina e… depois chorava que chorava, mas quase não dormia!

Sim, minha mãe – dona Alba Pereira de Deus – assim como centenas de milhares de mães, como as mulheres da família de Liliane Coelho, como dona Lena, do Mercado Municipal de São João Del Rei, como tantas outras Mulheres Especiais – Guerreiras da Luz de tantas gerações passadas de tantas outras famílias – viveram e… morreram para esse fim. E muitas, infelizmente, ainda vivem essa vida!

Trabaiavam o dia todo, todos os dias naquela lida!

Rezavam à noite antes de o sono chegar…

Tantas vezes sem dormir nem conseguiam contar.

Pois choravam em todas as noites de sua vida!

Trabaiá! Rezá! E Chorá!

Essa era a sina daquelas grandes Mulheres! Enquanto nossos pais, avôs e todos da linhagem masculina, sustentados por uma insustentável tradição machista, viviam suas vidas alheios à saga de suas mulheres, esposas e filhas, Elas – verdadeiras heroínas – sem outros meios, cuidavam dos filhos e do lar para que hoje, eu, por exemplo, esteja – aqui e agora – lhes fazendo este preito justo e sincero. Triste e egoísta geração de homens aquela de outrora, da qual Nós, todos os homens desta hora, somos herdeiros, MAS de que Eu, particularmente, me libertei graças à Espiritualidade que me deu um Pai terreno – Seu João Evangelista Alves de Deus, Um Homem iluminado e superior a esse ranço – bem como à minha força de vontade hercúlea, ao meu crescimento espiritual e ao aprimoramento como Ser humano que me ajudaram a cortar esses laços de um triste passado machista!

É dessa têmpera de Mulher que Liliane Coelho fala. E é a Essa Mulher que quero Honrar e dirigir minhas palavras, a razão de ser deste meu Artigo:

Mulher Filha!

Mulher Mãe!

Mulher Avó!

Mulher Esposa!

Mulher Mística!

Mulher Dona de Casa!

Mulher Profissional!

Mulher Empresária!

Mulher Amazona!

Mulher Guerreira!

Mulher Lutadora!

Mulher Heroína!

Mulher Vencedora!

Mulher Feminina!

Mulher – o útero de toda Vida!

Você – Mulher – Esse Ser Especial que nos torna – a nós, Homens – Seres melhores!

Você – Mulher – Esse Ser Especial que veio ao Mundo para gerar e dar sentido à Vida de todos Nós!

A Você – Mulher – que ora me dá a honra de ler e apreciar esta Crônica, minha eterna gratidão e a gratidão de todos os homens de bem e do Bem!

Eu Sou Cleir Chapeleiro Maluco Um Ser de Luz e da Luz Um Guerreiro da Luz e Um Poeta Aprendiz

Em meu apê, às 06:59 horas, desta gelada segunda-feira, 24 de agosto de 2020, para o Blog da Roseli, à qual sou muito grato. Gratidão também ao Universo, à Divindade e a minha infinita Gratidão a todas as Mulheres, especialmente à minha namorada Telma Cheida! E até a próxima, em que “só o vento sabe a resposta.”

Nota de rodapé:

*Mutatis Mutandis, expressão latina que significa “mudando o que pode ser mudado.”

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

roseli

roseli

Comentários

Feito por
⚙️