Sexta-Feira, 17 de Setembro de 2021

Os restaurantes e a pandemia na visão de um proprietário

Antonio Carlos Tavares de Mello. Artigo

Após uma publicação em que critiquei a postura do governo do Estado e demais poderes em determinarem o fechamento dos restaurantes às 19h, muitos se mostraram surpresos com algumas dificuldades do nosso setor.

Estou à frente de uma pizzaria desde 2014 e posso dizer que a crise advinda da pandemia (COVID 19) vai mudar radicalmente o cenário que conhecemos. Não falo apenas da crise financeira, mas também da forma de se pensar um restaurante.

A crise financeira se arrasta há tempos em nosso setor, sendo uma combinação explosiva que vem desde o pós-copa (2014), com atrasos de salários de servidores, retração no consumo, impeachment da presidente Dilma Rousseff e tantos outros fatores, até chegar a COVID-19.

Impressionante como muitos se reinventaram neste caminho. Não foi só a explosão do delivery via aplicativos que nos consomem quase 28% do custo do prato. Falo também de restaurantes que mudaram por completo seu serviço e cardápio, enxugando custos e tentando manter o negócio em pé. Passamos para a mídia digital, cardápio digital, ficamos responsáveis pelo lixo que produzimos, há uma infinidade de taxas, alvarás e penduricalhos. Dependemos cada vez mais de meios eletrônicos de pagamento, nosso pessoal teve que aprender a lidar com novas tecnologias e com postagens digitais.  Tudo é para ontem!

Quem tem entrega própria é considerado quase insano, pois os riscos da atividade com entregadores são grandes, como acidentes, assaltos, golpes na entrega, etc. No final, a culpa sempre é do restaurante.

Já o público que decide sair de casa precisa de um algo mais, que vai além da comida boa. Eles querem uma experiência agradável e temos que nos esmerar para atender com cordialidade, educação, limpeza, decoração e assim vai. Um atendimento ruim, ou nem tanto, e dá-lhe mídia social negativa. As pessoas descontam suas mágoas de toda uma vida rapidinho. Neste caso, o que me incomoda é a desproporcionalidade.

Com a COVID, os restaurantes terão que pensar em outra arquitetura e repensar sua forma de servir. Pia na entrada para lavar as mãos, salas com ampla ventilação. Energia elétrica mais cara (janela aberta e ar ligado), fim do cardápio impresso, distanciamento maior entre as mesas, esterilização massiva de tudo, pessoal extra para limpeza e polimento de louças e metais.

O custo da operação será mais caro e isso refletirá no preço.

Não dá para fazer tudo isso das 17h às 19h como prevê o atual Decreto Estadual. É muito melhor fechar. Abrir um restaurante à noite é ligar luzes, manter refrigeração, colocar o pessoal à disposição dos clientes, manter o local impecável e receber um ou outro gato pingado que consome rapidinho por conta do horário restrito.

Restaurantes familiares não fazem aglomeração. Pequenos lanches de rua, onde a família sobrevive do espetinho, do cachorro-quente ou da pipoca, também não. A diferença é que abrindo só um pouquinho (até as 19h), não se fatura o suficiente para pagar o custo da operação. Não há milagre.

O Decreto não trouxe nenhum fôlego em relação a tributos e obrigações dos comerciantes. Como acho improvável que os que têm poder venham a renunciar a seus benefícios absurdos (auxílios e penduricalhos como transporte, moradia, educação, celulares e outros), precisamos dar um jeito. A conta é nossa! Para isso, temos que trabalhar e entendo que o melhor para todos seria permitir o acesso a esses locais até as 22h, mesmo que houvesse restrições para o álcool a partir de determinado horário.

Se alguém tiver outra solução que não seja trabalharmos para pagarmos os salários, tributos e aluguéis, por favor me apresente.

Antonio Carlos Tavares de Mello é advogado e  atua há 15 anos no ramo de restaurantes.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também

Roseli

Roseli

Comentários

Com muito ❤ por go7.site